segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Um esforço pra chorar


Nas horas tristes, filho, não diga nada. Coloque um silêncio bem alto no aparelho de som. E comece a escrever bem baixinho. (Chorar até que pode, desde que não lhe embace a vista). Só não pare: tristeza é pra escrever. Tome posse dessa dor que é toda sua. Até que passe e venha outra mais bonita.

Cristiana Guerra, no blog ''Para Francisco''

O Natal passou, e nada foi tão melodramático como eu imaginei, vi o cara que eu gosto, passei a noite na casa da minha melhor amiga, recebi até alguns presentes.Mas ainda temos o reveillon por ai, e esse tem me dado uma dorzinha de cabeça.
Não vou me exceder nos comentarios pois já fui mal interpretada com um simples post no twitter, alías me sigam é @driikacastro .
Enfim,propagandas a parte, depois da balançada que tive, por causa da comemoração do ano novo, resolvi que estava na hora de deixar minha tpm me invadir e chorar um pouco, estou a alguns dias com aquele nó na garganta e não consigo chorar,por isso abri esse blog do trecho que postei acima, '' Para Francisco'', sempre choro quando leio, na verdade, acho que todo mundo devia ler o blog que ver o exemplo de coragem que a Cristiana é, e essa frase que eu postei, parece que foi pra mim também. Parabéns Francisco, sua mãe é uma mulher de muita fibra.
Fiquei pensando, em tantas pessoas especiais que já passaram pela minha vida. E me lembrei agora, de uma dessas pessoas me dizendo que dou valor demais pra todo mundo, nunca me arrependi de dar valor a ninguém, pelo contrário, acho até que eu que sou errada, eu que coloco expectativa demais nas coisas, uma outra pessoa, me disse que eu sou romantica demais, que leio meus livros e acho que vou ter relações iguais as dos personagens, é.. talvez eu seja mesmo uma lunática, infantil e sonhadora, como estou me sentindo agora,mas olha, eu sou de verdade, e por ser de verdade assumo toda a dor que vem junto com isso, quero aprender sozinha, entendem ?Eu sou diferente, sei que sou e tenho gostado cada dia mais disso.O tempo é de chuva, talvez eu não tenha tantos amigos como imaginei, mas tenho feito amizade com uma pessoa que descubro ser melhor e mais especial a cada dia : Eu mesma.Auto-estima nunca foi meu forte, continuo não me achando a ultima bolacha do pacote, e mesmo sem isso, sei que incomodo muita gente, por que o pouco de pessoas valiosas e que estão realmente ao meu lado que eu tenho, bota inveja em muita gente.
Aprendi desde nova, que o que tem por dentro é muito mais valioso que o que tem por fora e cada dia mais tenho agradecido a Deus por não fazer parte da turminha dos que só querem curtir e relaxar, mesmo não sendo paranóica, prezo ainda pelas qualidades da vida que pra mim estão na alma, não sou daquelas que olha só por fora, prefiro um cara que seja companheiro,me faça rir e me faça bem do que um desses ''colírios' que estão brotando por ai.
Dei mil voltas no post de hoje e vou terminar com a frase que tenho colocado na minha vida nos momentos em que as pessoas que eu achava que eram minhas amigas, me deixaram na mão. Então não se deixem enganar O interessado da um jeito.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

sobre mais um natal

'' Tô megera o suficiente pra abraçar os veadinhos do trenó em homenagem aos meus ex-casos. Tô megamegera o suficiente pra não admitir minha carência e dar uma risada debochada de todas as luzes, canções e emoções de boas-festas.
Tá, mas no especial do Roberto Carlos não vai dar pra ser megera. O filho da mãe sempre me faz chorar. É impressionante como a gente se sente sozinha na porra do especial do Roberto Carlos.''
( Tati Bernardi )


Sabe aquelas propagandas de época de Natal, com família reunida, muitos presentes, ceia e tudo mais ?
Pois é, eu tinha isso, até meus 12 anos, em quanto meus avôs eram vivos, nossa família não é gigante, mas era legal, lembro de ficar jogando bingo com meus primos e meu tio vestir de papai-noel.Minha família nunca foi comum, eu passava a noite de Natal com a família da minha mãe e o almoço do dia 25 com a familía do meu pai, hoje passamos eu, minha mãe, meu pai e a família da minha best, não estou reclamando, mas eu sinto falta de unir a família, de ver meus priminhos, de abraços e mesmo que isso seja materialismo, sinto sim falta de presentes.Eu sempre ganhava muitos presentes, principalmente na família de minha mãe, ano passado não ganhei nenhum. E esse ano parece que vai ser a mesma coisa. Eu sei que talvez seja até um pecado eu estar tão triste numa data que tem tudo pra ser tão bonita, nascimento do menino Jesus e tal, eu sei que está tudo bem, que Deus tem cuidado de mim, e sou grata por isso, mas esse ano, talvez pra ser mais melancólico, estou de tpm na véspera de Natal. Quem é menina e lê isso aqui, sabe que tpm é tempo de incerteza, de espinhas, de choro ( muito!), de raiva e no meu caso,principalmente de muito sentimentalismo. Hoje passei o dia com a sensação de que meus dias tem sido iguais e que a vida não cor-de-rosa. Eu sei, ganhei um grande presente nesse fim de ano, que foi a forte possibilidade de um grande amor, tenho ficado feliz e em paz 95% do meu tempo, mas é Natal, é tpm e eu sou mulher, mesmo com todas as felicidades e as risadas, falta alguma coisa que eu nem sei o que é. Você deve estar pensando : tanta guerra, tanta gente morrendo, tanta fome, tantos problemas e essa juvenil ai, dizendo que está feliz mas que falta alguma coisa. Tá, eu sei que vou ter um jantar na noite de Natal, que bem ou mal eu tenho meus amigos e minha família, mas deem um desconto, tpm é chato mas passa e tenho certeza que nenhum desses marmanjos ai aguentaria um dia de cólica e tpm. Enfim, esse texto não tem nada com nada mesmo. Vou continuar ali, comendo chocolate e ouvindo Los Hermanos. Independente se você tem uma família unida, se você está ou não de tpm, Feliz Natal. E tomara que o ano novo comece logo, não gosto de festas de fim de ano, ficou claro né ?