quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Disfarça e chora.

Continuei com minha tristeza, que não era mais um tipo de tristeza em pé, pois eu já pensava em tombar. Era mais um tipo de tristeza empurrada com a barriga, da qual eu as vezes fugia, inventando as desculpas de sempre, mas com a qual eu sempre me encontrava no fim da noite ou em uma situação que não podia maquiar.
Meu amigo me perguntou se podia fazer algo por mim, respondi que não, ninguém podia, só a única pessoa que talvez não conseguisse fazer nada : eu.
Correr não resolve, tombar me desespera e maquiar já não faz sentido.
Enxergar que a única pessoa capaz de acabar com tudo isso, sou eu mesma me da medo, pois meus pais já não podem fazer nada e meus amigos não podem sofrer por mim.
Tenho andado com nojo de gente que é feliz demais, e não pense você que é inveja não, mas resolvi que gente muito feliz é alienada, me chame de recalcada, se assim se sentir melhor.
Rotina são as 6 letras que me desesperam, trazendo consigo, toda semana a obrigação de ser feliz e descolada e relaxar, quando não dá pra fazer nada disso.
Cansada de ser boazinha, sempre desejar boa viagem e nunca ver a minha vez chegar, só por ser diferente demais, resolvi que no ano novo, não vou pedir nada.
Ainda que meu nada esteja repleto de superexigências.
Não queria que isso soasse como uma carta de depressão, em que conto como sofro e como espero que alguém tire isso de mim. É comigo.
Eu só queria dormir e deixar todos com suas festas, viagens e verões, sem espelhos nenhum pra comparar eles comigo.
Cada alma, carrega sozinha o preço de se sustentar e se fazer feliz, eu busquei alguém pra ser meu tripé instável, nunca encontrei, e quando vi que esse tripé só existia dentro de mim, fiquei assim.
A pior de todas as certezas, é saber que a única pessoa que coloca freio em tudo, é você , pois a felicidade só faz o papel dela, pronta pra ser desfrutada;
Combinei com ela, que no ano novo, não ficasse se esfregando tanto nos meus olhos, mostrando que ela podia ser toda minha e a única coisa que priva de sermos unidas para sempre, é que meu casamento com o medo, ainda não acabou.
Ainda peço a você, não me rotule, eu sou só uma menina boba que não aprendeu a crescer, faço minhas piadas pra que o mundo acredite, e no fundo consigo até suportar, mas por favor, no meu primeiro gesto mais simples de liberdade, acredite em mim também.
Cartola continua me dizendo para disfarçar, eu continuo caminhando.


" Chora, disfarça e chora
Aproveita a voz do lamento
Que já vem a aurora..."

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

De qualquer maneira, é amor.

" Lagarta que aprende e muda, um dia pelos ares voa."
( Camila Paier )

Ouvi uma história sobre borboletas que se encontraram. E pensei em começar contando pra vocês com ''era uma vez...'' mas resolvi que isso era irreal demais para começar uma história que deveria ser o máximo de realidade que a beleza poderia encontrar. Era amor.
Uma borboleta, sozinha , ainda assim, era linda, mas ao encontrar a outra, virava vida e florecia com toda felicidade, como se tivesse acabado de sair do casulo.
A outra borboleta, apesar de linda, ainda não entendia que as diferenças é que faziam das duas, inesquecíveis e saiu voando. Fugiu pro mais longe que poderia chegar.
A outra borboleta, acreditava, era amor, ela sabia. Quanto mais longe uma ia mais amor a outra sentia e assim, a borboleta que acreditava começava a pensar que poderia ter feito algo errado, mas o universo lhe respondia que acreditar não era erro de ninguém, acreditar é só começar a acertar.
Ela não teria medo de sofrer, se jogar e fazer a outra borboleta feliz, e um dia, ia descobrir que o simples fato de saber que qualquer maneira de amor vale amar, faria dela alguém que estava acima de qualquer julgamento de quem não aceita o amor dos outros por não ter amor e coloca defeitos. A
borboleta enfim achou no mundo o jardim para todas as suas esperanças, sonhos e desejos, a borboleta aprendeu a aceitar seu coração.

Para ler ouvindo : No Surprises - RadioHead

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Saudade e Coragem, tão próximas.


Saudade com coragem quer dizer que mesmo sentindo falta de todos os momentos, carinhos e esperanças, você ainda assim é firme e continua na decisão de que dessa vez não.
Já tentaram uma, duas, dez vezes. Os opostos se atraem, mas não duram.
Saudade do carinho, mesmo que ele não tenha existido. Coragem para se lembrar que mesmo demorando saudade também passa. E ritmo de saudade não é junto, pois saudade a dois, não é saudade é distância.
Saudade da esperança em acreditar que daquela vez, oposto ia ser disposto e se fundiriam.
Duas almas opostas, com uma mesma vontade : saciar a saudade que se abranda todos os dias. E desespera. Porque saudade branda não é mais saudade é lembrança.
Saudade do sexo, pois sexo é parte do amor, mesmo que seja só sexo, sem amor nenhum.
Ser firme na coragem de não implorar pois implorar não combina com saudade e sim com falta de amor. E nenhum amor que já acabou merece o carimbo de falta de nada, mesmo que tenha sido amor só pra uma das partes.
Coragem é se ver longe, não lembrada, vazia e mesmo assim, saber que se o amor existisse entre aqueles dois opostos, eles estariam vivendo, não longe, tentando a todo custo provar que não foi nada.
Saudade dói, invade, some, volta. Mas é saudade. E mesmo sem nenhuma tradução em dicionários humanos, quem gosta, ama ou sofre, sabe bem que saudade quer dizer coragem de continuar mesmo sabendo que muitas vezes sentir saudade é só a maneira do coração dizer que não esquece, contrariando a cabeça que pede por isso o tempo todo.
Continue firme, penso eu, pois pior que sentir saudade sozinho de algo que se viveu também só, é continuar a insistir e ver todos os momentos de que se antes tinha saudades, destuidos pouco a pouco por opostos que não deram certo.
E se saudade invade, saudade também faz lembrar que se viveu. E saudade, pode acreditar, mesmo que só e quando se acha que só você se lembra, vale a pena.