quarta-feira, 14 de maio de 2014

Lembra de mim


Estou só. Não só completamente pois tenho alguma família, um namorado bacana e uns dois ou três amigos de verdade que devem ficar chateados ao ler isso : Estou só.
Só eu e meu mundo de sonhos e medos - impossibilidades, mudanças de humor, dúvidas, amor - só e com raiva da vida que afasta as pessoas porque o tempo é curto e deve-se  estudar, trabalhar, namorar e levar a vida esquecendo quem você dizia amar no ano passado.
Tanta gente já passou pela minha vida nesses vinte anos, já provoquei tantos sorrisos, dei tanto colo e hoje estou só.
Tento me lembrar dos meus 15 anos e não sei o que eu queria ser quando tivesse a idade que tenho hoje. Eu tinha um grande sonho. Realizei e agora ficam sonhos maiores, mais audaciosos. Mas não sei se cresci.
Minha mãe diz que não.

Estou só porque meu namorado não pode fazer todos os papeis da minha vida e meus pais não podem ouvir todas as histórias. Estou só porque me afastei da correria e talvez ninguém correu atrás de mim.
Eu tinha grande convicção de que a única coisa que eu sabia fazer de bom na vida era escrever, mas parei com o blog porque não tinha nada para contar, para sentir.
Estou só e as vezes isso nem me importa. Estou só porque me afastei de gente que me pesava e obriguei algumas pessoas se afastarem de mim porque eu corria muito atrás delas.
Eu tinha amores efêmeros. A vida corrida. Certezas. Hoje tudo mudou, estou só e consciente. Dormir quase sempre resolve tudo quando não sinto vontade de nada.
O excesso de amor da minha mãe barrou o amor do qual eu senti falta. Estou só e ninguém nota porque não tem para quem falar. Estou só e sensível a cenas de grandes amigos enfrentando uma barra juntos. Estou só de ficha caindo por ter dado valor de mais.

Estou só e isso é a coisa mais triste do mundo, mas só quem acha isso sou eu.
Se conviver com si mesmo em harmonia é crescer, a vida me obrigou. Cresci

E estou só.