domingo, 13 de março de 2016

Te Amo!


Só consigo escrever direito inspirada por grandes sentimentos. Naquela noite fatídica eu pensei em vir aqui despejar minha dor e revolta, mas ainda bem que não o fiz - nossos bons momentos não merecem - ainda que fossem palavras concretizadas, ainda que a mágoa ainda bata as vezes, não há nada no mundo que mude o que você fez por mim. Bons corações não se corrompem.
Sinto falta de um ''nós'' que ficava comentando programas bobos na tv, que sentava num parque para conversar e muito da certeza do futuro.Sinto falta de alguns olhares. Sinto falta do não-automático. Sinto falta - e isso parece babaca, esnobe e arrogante- de ser tudo que você queria na vida. Me machuco com Marshall's e Lily's pois tenho medo de que esse they não seja us.
Eu acabei de sair das fraldas, mas te trouxe uma parte do mundo com minhas experiências malucas e conversas no banco do jardim do prédio. Você cuida de mim com paciência de monge.
Te peço perdão por pedir amor tantas vezes. Fui acostumada pelo melhor. Acostumada a me sentir como em Ouro Preto, nunca como no Rio.
A noite fatídica me serviu de lição. Eu tinha medo de viver uma vida dependente de ti, mas não viverei. Apenas gosto demais do seu amor.
Você é um grande homem,  um homem que me faz sentir vontade de te fazer todos os mimos do mundo. Mas que as vezes tem um sorriso frio que me machuca. Machuca porque eu sou menina boba que saiu das fraldas e eu escrevi esse blog inteiro sem conhecer o amor que você me ensinou a sentir.
Você é a faixa de inauguração da minha vida adulta. Você me ensinou a parar e respirar fundo antes de gritar pro mundo que eu quero agora, você é um lance inteiro de degraus na escada da vida.
Não quero te perder, mas se um dia outra ocupar esse lugar, deixo para ela uma herança do bem.
Quero ser para você a certeza de um colo quente, de uma mão amiga, de alguém para contar. Estou contigo. Por você eu comeria a coisa mais doce do mundo sem nem um cream cracker por perto.
Quero muito que você me ame como nos primeiros meses, quero muito que você ainda esteja disposto a ver Sexto Sentido para que eu não sinta medo sozinha, quero muito ter liberdade de ser sem medo para você. Que sejamos mais ''Bom Dia'' e menos ''Um Par''.
Mas se um dia não for assim, eu vou ser sempre a menina que você mudou a vida, a menina que não te deixa desanimar, a menina que quer fazer para sempre do seu abraço o meu lar.
Te amo!


Um comentário:

  1. Muito bem escrito, claro que achei muito pessoal, mais da pra encaixar como filosofia de uma inocência romântica.

    ResponderExcluir

Se você tem medo do amor, você tem coragem do quê ?