segunda-feira, 18 de abril de 2011

Tem, mas acabou.


Sim, este é mais um dos meus textos sobre você.
E ainda assim, mesmo depois de alguns meses ou mil anos, agora que somos estamos tão perto e tão longe, num clichê maior do que essa frase, eu não sei o que sentir por você.
Quando a vida me esfrega na cara que não é mais por mim que seu sorriso se ilumina, sinto raiva.
Quando te vejo, lindo, rindo, me esqueço das noites e dos dias em que tive certeza que não era você, e te amo de novo.
É vida diante de mim, é você seguindo, é você que nem se lembra mais das nossas risadas, sou eu te esquecendo, sou eu sentindo ciúmes do que nunca foi meu. Sou eu mostrando pra mim, pra você, pro mundo, que não sou adulta o bastante pra te ver no alto de outro pedestal, que não o meu.
Sou eu querendo ver você, cheirar você, beijar você e ao mesmo tempo querendo que você suma pra que eu não lembre mais, mesmo sabendo que não adianta nada.
Minhas recaídas de amor são como aquelas folhas que a gente brinca de fazer rodopiar no ar, elas giram e são lindas, mas todo mundo sabe que vão pro chão, que nenhuma dura no ar mais que 15 segundos.
É isso, são os meus 15 segundos de amor, quando eu te vejo, quando lembro. Mas depois passa, depois morre, depois você volta a não ser nada, como eu aprendi a não ser.
Ainda assim, eu te amo. Ainda que você e todo mundo me odeie por te amar, me fale que você não está nem ai pra mim.
As pessoas me perguntam :
- Por que ele ? Já que ele foi embora sem nunca ter sido ?
Porque ele era desafio, era medo, era felicidade, era tesão, era a vida gritando que eu não era o centro do mundo mas que enquanto você estivesse do meu lado, eu podia ser.
Ninguém entende, meus amigos perguntam se é falta de amor próprio, você me olha quase que com pena, com aquele sorriso de canto de boca, suas meninas me acham babaca.
Bem vindos ao meu mundo real, sou eu quem crio as regras aqui, e ainda que eu passe dias felizes quando não te amo, quando preciso de alguém pra não sentir vazia demais, lembro de você, chega a ser egoísta, não te quero de volta, só quero poder gostar de você.
Não existe mais chorar, não existe pensar em ninguém, não existe acreditar no amor. E preciso que você exista pra que eu não me sinta cinza, mesmo quando sei que não gosto de você, não gostar de você é pior que tudo isso.
Quando outra pessoa existe no meu mundo, sei que quando ela for embora, posso voltar pro meu mundo de não-amor por você. O teu frio, o teu chão incerto é agora o meu refugio, o meu cantinho feliz.
John Mayer vai explicando pra mim :

" Friends, lovers or nothing
There can only be one
Friends, lovers or nothing
We'll never be an 'inbetween'
So give it up."




Qualquer outra coisa que não é sim é não, qualquer outra coisa que não é ficar é ir, qualquer coisa menos que "eu amo você" é mentira.

7 comentários:

  1. Não tem nenhuma outra palavra a ser usada aqui, a não ser: INCRÍVEL.
    Você tem o impressionante dom de expressar sentimentos em palavras, mesmo que não os entenda totalmente as vezes.
    PARABÉNS, simplesmente incrível.

    ResponderExcluir
  2. Minha querida você escreve MUITO BEM,seu texto está perfeito e desde já estarei lhe seguindo. PARABÉNS!!

    ResponderExcluir
  3. Achei que não houvessem palavras que pudessem descrever o que eu sinto neste momento, e eis que ao acaso li o seu texto e descubro que sim, existe sim algo de descreva. Incrível, parabéns.

    ResponderExcluir
  4. é, acho que de alguma forma me identifiquei nos seus textos .
    Parece que de tudo o que vc esta passando eu também estou.
    Só que eu não consigo me expressar e você sim sabe em forma de textos, e textos exatamente incríveis !
    Parabéns !
    MUITO BOM :)

    ResponderExcluir
  5. Lindo, lindo, lindo.Parabéns, me identifiquei bastante em alguns trechos.

    ResponderExcluir

Se você tem medo do amor, você tem coragem do quê ?