terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

O resto é teu.

Eu não faço a menor ideia do porque sinto tudo que sinto -falta-, se mesmo depois de tantas dores e tantas mentiras, tanto desprezo e tanta despedida, você é o primeiro e o último pensamento do meu dia. Acho engraçado me lembrar de quando sofria no passado, cheguei para você como um filhote de passarinho, precisando de carinho, cuidado e calor. Achava que já havia sofrido o suficiente por um vida toda, havia acabado de sair de um relacionamento com um cara eternamente grávido de si mesmo. Quem saí a procura de amor, só encontra encrenca, não é ?
Me sinto como se tivesse enterrado uma pessoa querida, afinal, fora as coisas que deduzo com minhas ferramentas de busca por você, não sei mais nada de ti. Fora o fato que você já tem outro colo quente pra se aninhar, que eu descobri numa busca exagerada por algum vestígio teu.
Começo a mudar e -quase- me torno uma garota normal, mas não dá pra ser, não dá pra esquecer aquelas aventuras atrás das portas e aqueles banhos em que a gente ria e se achava o casal mais sortudo do mundo.
Me pego, várias vezes, passando nosso namoro a limpo, mentalmente e me perguntando em que momento deixei de ser o seu amor. Me assusto mortalmente ao pensar em todas as possibilidades que vem com isso, não ser mais o teu amor já é doloroso demais.
Será que você só precisava mesmo das minhas desculpas pra viver feliz ? Será que o choro foi por alívio em saber que eu te perdoei e não por saudade ?
Será mesmo que pensar em enfrentar o mundo, a vida e todos os meus conhecidos por você é ser louca demais ? Eu toparia te dar a mão e matar todos os monstros que estão nas nossas cabeças - e vidas- para ter você aqui de novo.
Então eu olho pra mim e vejo o que restou, a casca, de novo.
Peço, com o que resta de coragem em mim, pra que não cumpra sua promessa em deixar aqui o que restou da gente, já é doloroso demais ter que olhar pra tudo sem isso.
Enquanto você acha prepotência se colocar no meu presente, eu vejo tudo isso regado de esperança demais. Eu sempre tive problemas demais com essa palavrinha : esperança.

'' Foi um errado que deu certo e o certo acabou dando errado.''


Sem nenhum medo de parecer burra ou iludida, eu digo : Eu amo você, como amei todos aquelas tardes e noites de sorriso e aquelas manhãs indo acordar você com um ''bom dia, amor.''
Isso é tudo.


Não há novos e-mails em sua caixa de entrada. Sentimos muito, Adriana.



5 comentários:

  1. wooow, me vejo muito nesse penúltimo trecho! Adoro seus textos!

    ResponderExcluir
  2. "Um errado que deu certo e o certo acabou dando errado."

    ResponderExcluir
  3. que texto mais lindo, tou encantada!
    e realmente, o fim de um relacionamento é dificil mesmo, mais ainda quando ele só acabou pro outro, nao pra gente. mas ficar se prendendo ao passado, revivendo todos os dias felizes, passando a limpo todas as coisas feitas e ditas nao adianta nada. só faz aumentar o sofrimento e faz bater aquela vontade louca de pegar o telefone e ligar pedindo muito outra chance, ou entao so dizer que sente saudade pra saber se a outra pessoa ainda sente saudade da gnt tbm. nao é facil esquecer, mas ficar remoendo os sentimentos e as lembranças tbm nao dá, é masoquismo puro. a gnt tem que levantar a cabeça, e começar a se amar mais, a se convencer de que merecemos algo melhor, que EXISTE algo melhor pra gnt.

    ResponderExcluir

Se você tem medo do amor, você tem coragem do quê ?