sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Você já foi a Bahia ?

Escrevo esse texto com músicas dos Novos Baianos ao fundo, um quentinho no coração e mil lembranças boas na cabeça.
Se você nunca foi a Bahia, vá. Antes de ir a Nova York, fazer compras, antes de ir a Londres dançar nos pubs modernetes e antes de ir a Paris passear com seu grande amor. Vá a Bahia.

Saí de casa pra ver o mar, depois de mil anos, para mim era como conhecer o mar de novo, um sonho de menina, tão bobo e fácil de ser realizado, que por causa do destino e da vida, para mim, era longe demais.
 Cheguei muito cedo ao aeroporto e tudo ali era lindo, era vida, era gente bonita chegando e saindo, filas  para tantos sonhos, tantos encontros de amor. Todo mundo era feliz ali.
 Entrei no avião, um rivotril no bolso e quase quebrando a mão do meu pai. Escolhi ir na janela, porque vocês sabem, eu nunca corri do medo, apesar de estar sempre pronta para gritar fugindo dele.
O rivotril não foi necessário, eu gritei algumas vezes, nas curvas, que o avião estava caindo, mas nada que fizesse eles pedirem para eu me controlar. Só meu pai dava risada.
Da janela, entre as nuvens, o sol nascia. E no meio do meu medo, eu vi o mar, arctic monkeys tocava Cornerstone e eu chorava sem esforço. Sem ninguém ver, porque ninguém entenderia. Uma vitória, depois de tanto, de tudo, dos medos, dos eus.
Chegamos no aeroporto de Porto Seguro, pegamos um táxi e eu quis parar na praia.
Eram 7 da manhã na Bahia, o mar estava calmo e na minha cabeça, passava uma vida toda, quando a onda bateu em mim, foi um misto de alegria e dor, tipo estar apaixonada. Dessa vez não chorei, mas amava muito.
Chegamos a Arraial d'Ajuda e o hotel era lindo, uma mesona de café da manhã, uma baiana a disposição dos hospedes para fazer mil quitutes e coisas que em Minas não estamos acostumados. Provei tapioca, mungunzá, bolo de pão de banana. Mil delícias.

O primeiro dia foi tranquilo, na praia do Mucugê, apenas eu e os meus pais. A alegria da minha mãe era linda de ver, eu sabia que para ela estar ali também era uma vitória. A noite, conheci o pessoal do hotel e duas paulistas com quem fiz uma amizade bonita, foram minhas irmãs de verão. O segundo dia, fomos as 3, explorar Arraial. O centro é um lugar delicioso, cheio de lojinhas e bistrôs que parecem cidade de boneca, casinhas coloridas. Gente de todos os lugares do mundo. Muitas línguas, sotaques, risadas.  

O mirante atrás da igreja é coisa de sonho, amarrei minhas fitinhas e fiz os pedidos. Não custa nada ter fé e ver coragem no amor.


A rua do Mucugê, é um espetáculo a parte, a noite lá tem os bares mais charmosos da Bahia, sem sombra de dúvida. O pub La Morocha é ponto de encontro dos jovens, aonde eu e as meninas estivemos na quinta-feira, nosso quarto dia na Bahia. 


A praia da Pitinga foi nossa escolhida para passar o terceiro dia, por ser mais perto de nosso hotel e ter um restaurante charmoso e lindo, cheio de redes, balanços e tocando Chico. Sim, era um sonho bom.
O mar gostoso, comida boa e drinks baratos. Acho que a Bahia é o paraíso. Na praia da Pitinga, é fácil ver as falésias descritas por Pero Vaz de Caminha, na carta a Portugal. Não é difícil descobrir porque os portugas acharam a beleza daqui semelhante a uma pintura.

ao fundo, as falésias.




A noite de Terça, na Terra que ninguém fica triste, fomos a um lual, cheio de gringos e suas obsessões por aprender a sambar e eu, que quase não sei , virei atração no meio deles, afinal, no sangue e no quadril, correm sangue latino.



 A Quarta-feira para mim, foi um espetáculo a parte,  depois de acordar cedinho, e comer feito uma grávida de trigêmeos e enfrentar uma hora e meia de viagem, ouvindo todas as varições da música do Cavalinho, descobrindo que o grupo de 8 paulistas que estavam com a gente, realmente sabia fazer rir, chegamos ao lugar mais bonito do mundo :
Trancoso.
Enquanto eu temia acordar e descobrir estar ainda na minha casa em BH, o guia mostrava as casas dos famosos, as delimitações da praia de nudismo e as barracas mais famosas.
Chegamos ao famoso Quadrado, uma espécie de rua, que foi a morada dos Padres das Missões Jesuítas no Brasil. Os padres sabiam escolher bem, o lugar, além de lindo, tem uma das melhores energias que já senti. E depois da Igreja, o mirante de São João Batista é uma visão de tirar os pés do chão. Até o cemitério do povoado, na beirada do mirante, é lindo. Ser enterrado ali, deve ser ficar com os dois pés, já no paraíso.


Cada casinha, cada bistrô, tem um morador ou alguém com dinheiro o suficiente para se manter ali (o preço de cada casinha dessa, a venda, é de mais de 2 milhões) cheio de sorriso e graça. Claro, acordar todos os dias com esse visual, deve ser a coisa mais gostosa do mundo.




Estávamos eu e o Vini, um dos paulistas do meu grupo e eu resolvi tirar uma foto dentro de uma das casinhas, na janela. Escolhi uma laranja, minha cor favorita e munida de fotógrafo, câmera e coragem, pedi ao morador. Não era brasileiro, comum ali, era inglês, ainda bem. Me resolvi com ele, ele deixou com muito carinho eu tirar a minha foto e misturando o inglês e o espanhol, tentava parabenizar o Vini pelo casamento  ''mui bela su wife''. Sem entender nada, o Vini ria e concordava. Depois, fui descobrir que ali é o primeiro destino de lua de mel no Brasil. É, se amar em Trancoso deve ser encontrar a essência do amor. Quem sabe um dia...
Em frente a igreja de São João, tem um marco, que segundo os nativos, se você der 3 voltas, arruma um marido bom. Dei umas 20, porque vocês sabem, a coisa não está fácil aqui.
As praias de Trancoso são diferentes das de Arraial, são mais bravas, mais perigosas... cheias de surfistas lindos e bronzeados.




A noite, parece que a coisa começou a funcionar, num show do Olodum, que eu jamais me veria indo e fui, por que quem tá na Bahia, meu rei, bom.... não pode fugir de ir a um show deles, é coisa de louco. E lá, eu conheci um espanhol que bom, fica um pra um outro texto.

Chegamos no hotel 5 da manhã e o porteiro, um querido e fofo, nos convidou para ver o sol nascer no mar. E uma baleia jubarte, famosa na região, resolveu fazer um show particular para a gente. Ali e de noite, quando vi a lua despontar no mar, descobri que nem tudo a gente pode fotografar, algumas imagens ficam só comigo.


Quinta-feira, mais do que nunca, a Bahia toda já respira Carnaval, em Arraial não era diferente, mas no La Morrocha, conseguimos fugir do axé e no o esquenta rolou no Beco das Cores, outro lugar incrível na Mucugê, com uma roda de samba deliciosa. Quero voltar !

Sexta fomos conhecer Coroa Vermelha, depois de Porto Seguro, chamada de Caribe da Bahia, aonde realmente se vê o marco aonde Cabral desceu e um monte de Oca de índios. Bem fofo. O mar quase não tem onda, uma beleza para quem tem criança, afinal, dá para ver os siris e os peixinhos na água cristalina, a criançada ama.

A noite, era hora de despedir das amigas paulistas, e o carnaval não parava de gritar : CHEGUEI !
A cidade começou a lotar, e no sábado de manhã, já era difícil ouvir português nas ruas, os espanhois e ingleses, dominam a cidade nessa época, só se ouve ''carnival'', ''samba'', ''caipirinha''. Fiz um bico de tradutora para um australiano e resolvi curtir minha última noite na Bahia, no hotel, quietinha, vendo o mar.
Um dia eu volto, Bahia, um dia eu volto...
Bem pertinho do meu hotel, essa placa. Não esqueço, não esqueça. Valeu Bahia.




2 comentários:

  1. Já morria de vontade de conhecer a Bahia... agora então!!
    Parabéns, o texto ficou incrível!

    :*

    ResponderExcluir
  2. Eu acho que é um lugar único no mundo, a verdade é que você não pode sempre viajar, mas se você tiver a chance de fazer isso eu acho que se você não sabe agora baía deve começar reserve agora seus pacotes de viagens

    ResponderExcluir

Se você tem medo do amor, você tem coragem do quê ?