quinta-feira, 11 de abril de 2013

Mi casa, su casa


O vizinho da casa verde olhava meio desconfiado, a menina que ele nunca viu, com chave na mão e abrindo o portão da sua casa. Eu levei uns minutos rindo, imaginando o que ele pensava, torcendo para ele achar que eu morava ali com você. John Mayer, ficou me fazendo companhia enquanto eu esperava você voltar do trabalho, deitada no sofá e pela primeira vez na vida me sentindo mulher de alguém. Eu queria ser vista ali, intima, sua.
Tirei a calça jeans que incomodava e vesti o shortinho do pijama que havia trago na bolsa, coque no cabelo e fui ver se as besteirinhas que você deixou pra mim na cozinha ainda estavam lá. A pia tava meio bagunçada, denunciando o tempo que te tomo no dia-a-dia, resolvi arrumar, rindo, pela caracteristica de união estável que tínhamos adquirido com uma semana de namoro. Arriscado ? Não pra nós dois.
Deitei na tua cama para esperar você chegar e só acordei com o barulho da chave na porta. Você me olhava lindo, feliz. Tomou um banho rápido e pulou em mim, como naquela cena de Closer.
Chico tocava músicas aleatórias e eu estava no único lugar no mundo que eu queria estar.
Nosso amor se resolve depois do amor, quando a gente acha o mundo - mesmo com todas as suas esquinas - um lugar lindo.
Quando você colocou aquela música fofinha e leve pra tocar, eu enfileirei todos os meus exs e disse a cada um deles que você era o meu primeiro namorado de verdade.
É você quem me conhece longe da saia da minha mãe, é você quem me faz tirar a sandália para calçar o seu chinelo, vestir sua camisa e ficar só com isso, pela casa. De todos os caras, você foi o único que findou meus medos e ouviu minha vida, sem titubear. E eu luto contra tudo para te fazer feliz.
Domingo, deitada no seu sofá, com a cópia da sua chave no bolso, eu entendi que crescer até dói sim, mas quando a gente tem um amor, compensa.
Depois de tantas histórias cheias de fantasias e mentiras, você chegou banhando meu futuro de paz e mostrando uma vida real que não precisa da minha capacidade de embelezar tudo, você já o faz.
Obrigada por salvar esse coração romântico.
Que nosso namoro seja repleto de noites de sábado com amor e domingos repletos de paz.
Obrigada pelo ombro e pelo abrigo.



7 comentários:

  1. Oi Adriana! Encontrei seu blog por um acaso muito bem acasionado. Gostei muito do texto, leve, detalhado.. É bom estar nesse amor que dá borboletas no estômago, dá aquele ânimo e confiança. Nos faz acreditar que o mundo é um bom lugar, sim.
    Beijos e boa sorte!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhhh ! Muito obrigada pelo carinho, Lenise. É verdade, o amor cura, né ?
      Beijo grande !

      Excluir
  2. Nossa, que fofo e leve esse texto. Parabéns, beijinhos. Te espero no meu blog

    ResponderExcluir
  3. Não dá pra entender onde foi parar todo esse amor e esse namoro perfeito depois de um mês...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ele te fez juras de amor e depois disse que não tinha certeza do que tava sentindo?

      Excluir
    2. Poxa, já não tá exposto o suficiente aqui ?

      Excluir

Se você tem medo do amor, você tem coragem do quê ?